Kirschblütenallee / Alameda das Cerejeiras

“Sob uma cerejeira não há estranhos”

DSC_0094As cerejeiras são o símbolo nacional do Japão. Na primavera, milhares de cerejeiras florescem por todo país e duram apenas alguns dias, o que simboliza que a vida e a beleza não duram muito.

DSC_0025

Em 1990 um canal de TV japonês, a TV Asahi Corporation, promoveu uma campanha que arrecadou 1 milhão de Euros. Com o dinheiro arrecadado, os japoneses presentearam Berlim e Brandemburgo com 10.000 mudas de cerejeiras. Essa foi a forma que os japoneses encontraram para parabenizar os alemães pela queda do Muro e para fortificar a amizade entre os países.

DSC_0181

As mudas foram plantadas em trechos onde passava o Muro de Berlim. Um desses trechos era a divisa entre Berlim e Teltow, no sul da cidade.

DSC_0264

Na “faixa da morte”, ou seja, a faixa entre o Muro de Berlim, 1200 cerejeiras foram plantadas em cerca de 2 quilômetros e hoje se chama Alameda das Cerejeiras (Kirschblütenallee).

DSC_0134

 

E todo ano, por cerca de duas semanas, no final de abril, a Kirschblütenallee se enche de flor. Simplesmente deslumbrante!!!

DSC_0141

No final da Kirschblütenallee foi erguida uma placa que conta a origem das cerejeiras e tem a seguinte frase do poeta japonês Kobayashi Issa: “Sob uma cerejeira não há estranhos”. Certamente uma linda homenagem do povo japonês ao povo alemão.

DSC_0217

Veja aqui o álbum que fiz com fotos tiradas hoje no local:

https://plus.google.com/photos/104911685018047966129/albums/6141823308584880465

Os comentários estão desativados.

Facebook
Facebook
Google+
Twitter
Visit Us
Instagram