CARIÁTIDES

Conheça o templo de Erecteion na acrópole de Atenas e as ninfas de Karyes.                                                      

CARIÁTIDES 

– Conheça o templo de Erecteion na acrópole de Atenas e as ninfas de Karyes.

“Histórias Estátuas”

Cariátides, Templo de Erecteion Acrópoles de Atena - Grécia

Cariátides, Templo de Erecteion
Acrópoles de Atena – Grécia

Grécia Antiga é o nome dado ao período da história grega que vai de 1100 a.C. até 146 a.C., quando a península grega foi dominada pelos romanos. Foi na Grécia Antiga que surgiram as primeiras cidades independentes, que eram chamadas de polis, palavra grega que significa cidade-estado. As duas principais cidades-estado eram Atenas e Esparta. Esparta caracterizava-se por ser uma sociedade militar, bélica, e Atenas era o centro cultural e intelectual da época, a cidade da filosofia, da literatura, da dramaturgia, das olimpíadas e da ideia moderna de democracia.
De modo geral, as cidades-estado, se estabeleciam nas partes mais altas da região e eram chamadas de acrópole (do grego akrós, alta e pólis, cidade).

Miniatura da acrópole de Atenas - Altes Nationalgalerie - Berlim

Miniatura da acrópole de Atenas
Altes Nationalgalerie – Berlim

A acrópole de Atenas é a mais conhecida acrópole do mundo e foi uma importante sede administrativa, cultural, religiosa e militar da Grécia Antiga. Situada no topo de uma colina rochosa a 150m acima do nível do mar, em Atenas, capital da Grécia, sua plataforma tem 300m de cumprimento e 130m de largura. Ela foi construída entre 460 e 430 a.C., pelos arquitetos Iktinos e Kallikrates, e pelo escultor ateniense Fídia, sob a administração de Péricles, o mais importante estadista e estrategista militar da história de Atenas.

Feita para Atena, a deusa da sabedoria e padroeira da cidade, a acrópole de Atenas é uma obra-prima da arte grega. Foi tombada pela Unesco em 1987 como Patrimônio da Humanidade, e eleita em 2007 como uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo. Porém, a maior parte de suas estruturas estão em ruínas, pois ela foi alvo de vários ataques militares durante a história. Mas quatro monumentos importantes ainda estão de pé. São eles:
• O Propileu, que é o gigantesco portão de entrada da Acrópole;
• O Partenon, templo dedicado à deusa grega Atena, e reconhecido como um
dos maiores monumentos culturais da história da humanidade;

Partenon - Acrópole de Atenas - Grécia

Partenon
Acrópole de Atenas – Grécia

• O Templo de Atena Nice, que é um pequeno templo de mármore branco, onde Atena era cultuada como deusa da vitória (nice = vitória);
• O Templo de Erecteion, templo consagrado a Atena e Poseidon e considerado o mais belo monumento em estilo jônico do mundo.

Templo de Erecteion - Acrópole de Atenas - Grécia

Templo de Erecteion
Acrópole de Atenas – Grécia

E é aqui no templo de Erecteion que se encontram as Cariátides, as estátuas que descreverei nesse capítulo. Portanto, vamos conhecer melhor essa construção.

Primeiramente, o nome Erecteion, significa templo construído em honra de Erecteu, um dos heróis de Atenas, mencionado na Ilíada de Homero.

O Erection substitui o Templo Antigo, onde Atena, (conhecida pelos romanos como Minerva, a deusa da sabedoria, da guerra, das ciências e das artes) e seu tio, Poseidon (conhecido pelos romanos como Netuno, o deus do mar), travaram uma batalha para ver quem seria o patrono da cidade.

Batalha entre Atena e Poseidon - Detalhe dos Mármores do Partenon - Museu da Acrópole de Atenas

Batalha entre Atena e Poseidon
Detalhe dos Mármores do Partenon
Museu da Acrópole de Atenas

Conforme o mito, ficou estabelecido que quem desse o melhor presente à cidade ganharia a disputa. Poseidon ofereceu um cavalo e bateu com seu tridente e fez jorrar água do mar. Atena fez crescer uma oliveira no meio de um rocha. O presente de Atena foi o escolhido e ela virou a padroeira da cidade.

Atena - Altes Nationalgalerie - Berlim

Atena
Altes Nationalgalerie – Berlim

O Templo de Erecteion tinha então santuários que reverenciavam esses deuses. Em um deles era feito o culto Atena, e lá havia uma estátua da deusa feita de madeira de oliveira. E no outro havia desenhos simbolizando os traços feitos pelo tridente de Poseidon quando ele bateu no chão e produziu água salgada.

Mas é a varanda do pórtico sul que mais nos interessa. Nela se encontram, as Cariátides que, na minha opinião, são as estátuas mais lindas da acrópoles de Atenas. O templo de Erecteion tem seis delas. Cariátides são colunas, usadas na arquitetura como pilares de sustentação, para suportar o teto, que tem formas femininas. As colunas são estátuas de mulheres de pé sustentando o teto da varanda. Todas elas são de alguma forma diferente e pela pose delas, com uma perna semi flexionada, parece que não estão se esforçando muito para sustentar o teto sob suas cabeças.

Cariátides, Templo de Erecteion - Acrópoles de Atena - Grécia

Cariátides, Templo de Erecteion
Acrópoles de Atena – Grécia

As Cariátides estão vestindo uma túnica de linho chamada quíton, que era a indumentária característica da Grécia antiga, feita com um retângulo de tecido, preso nos ombros por broches ou alfinetes e na cintura, por um cordão.

quiton

quíton (http://hautedeliciousak23.blogspot.de/2015/12/greek-fashion-history.html)

Detalhe da roupa - Altes Nationalgalerie - Berlim

Detalhe da roupa
Altes Nationalgalerie – Berlim

Seus cabelos estão presos em lindas tranças embutidas e rabo do peixe.

Detalhe dos cabelos das Cariátides - Museu da Acrópole de Atenas

Detalhe dos cabelos das Cariátides
Museu da Acrópole de Atenas

Mas por que o nome Cariátide?

Existem diferentes interpretações.

Escolhi a versão mais conhecida, e que para mim faz mais sentido, que diz que o nome Cariátide tem origem no mito de uma jovem chamada Cária. A história diz:

Díon, que era o rei da Lacônia (região do Peloponeso cuja capital é Esparta), era casado com Anfitea e tinha três filhas: Orfe, Lica e Cária. Certa vez, Díon e Anfitea receberam o deus Apolo em sua casa quando ele viajava pela Lacônia. Apolo foi tão bem recebido que, como recompensa, prometeu dar o dom da profecia às suas filhas. Mas ele impôs algumas condições: as irmãs não poderiam trair os deuses nem deveriam especular sobre assuntos que não lhe diziam respeito. Algum tempo depois, o deus do vinho, Dionísio, se hospedou também na casa de Díon. Ele foi igualmente bem tratado e acabou se apaixonando por uma de suas filhas, a Cária, que lhe correspondeu.

Dionísio - Altes Nationalgalerie - Berlim

Dionísio
Altes Nationalgalerie – Berlim

Dionísio teve que continuar a sua viagem pelo mundo, mas tempos depois voltou à casa de Díon, atraído pelo amor da jovem. As irmãs de Cária tentam impedir o amor dos dois, e quebram assim a promessa feita a Apolo.

Furioso, Dionísio transforma as irmãs em rochas. Cária acaba sendo transformada numa árvore, mais precisamente, em uma Nut-tree ou seja, uma nogueira (Karya, em grego).

Cária passou a ser venerada como a Senhora da Nogueira e na sua cidade, Karyes (ou Cariés), um tempo decorado com colunas de madeira, esculpidas em forma de jovens mulheres foi construído em sua homenagem.

E anualmente, em Karyes acontecia um festival chamado Caryateia, em homenagem à Cária, onde as sacerdotisas do templo, as ninfas da nogueira, dançavam em círculos, levando em suas cabeças cestas de juncos, como se fossem plantas dançando.

A partir de então, na arquitetura, as colunas com formas femininas passaram a ser chamadas de Cariátides, as ninfas da nogueira.

Cariátide - Museu da Acrópole de Atenas

Cariátide
Museu da Acrópole de Atenas

2.800 anos depois, as Cariátides tem muitas outras estórias para contar.

Apenas 10 anos após ter sido construído, o templo de Erecteion foi danificado por um incêndio e foi reformado anos depois, em 395 A.C.

No período bizantino, o imperador Justino querendo extinguir o paganismo em suas terras, converteu o Erecteion em igreja ortodoxa cristã.

Após a Queda de Constantinopla em 1453, a Grécia tornou-se parte do Império Otomano e em 1456, os turcos transformam o Erecteion, num harém para o sultão.

Mas o pior ainda estava por vir…

Cariátides, Templo de Erecteion - Acrópoles de Atena - Grécia

Cariátides, Templo de Erecteion
Acrópoles de Atena – Grécia

Em 1799, um escocês chamado Thomas Bruce, o Lord Elgin, recebe o cargo de embaixador britânico em Constantinopla (atual Istambul).

Numa época em que os europeus consideravam a arte e arquitetura da Grécia Antiga como uma das maiores expressões de civilização, Lord Elgin decide copiar com moldes de gesso algumas esculturas.

Porém mais tarde, ao perceber que os governantes turcos não cuidavam das esculturas gregas e que as mesmas estavam em péssimas condições, resolveu “salvá-las”. E usando a sua posição de poder junto ao governo turco, ele pediu e obteve autorização do sultão para levar para o Reino Unido quantas peças de antiguidade ele desejasse.

Em 1801, Lord Elgin envia então uma equipe de homens para a acrópole de Atenas. Eles começam retirando alguns Mármores do Partenon e peças do templo de Atena Nice. O trabalho é mal feito e causa danos irreparáveis. As estruturas ficam cheia de buracos e os trabalhadores danificam várias peças chegando até a serrar algumas para poderem carregá-las mais facilmente.

O Templo de Erecteion não consegue se manter ileso ao saque. Lord Elgin decide levar uma das seis Cariátides para enfeitar sua mansão na Escócia. Esse foi um trauma tão grande que conta a lenda que naquela triste noite, o choro das outras cinco irmãs lamentando a perda de sua irmã pôde ser ouvido.

Rosto - Altes Museum - Berlim

Rosto
Altes Museum – Berlim

E para piorar ainda, o navio carregado com as peças retiradas de Atenas por Lord Elgin afunda em 1803. Só três anos depois as obras são recuperadas e chegam na Inglaterra em muitos anos depois, em 1812, quando então Lord Elgin resolve vender tudo para o Museu Britânico para pagar suas dívidas.

Em 1830, após a Guerra da Independência Grega contra o Império Otomano, foi criado o estado grego moderno, que engloba a maior parte do núcleo histórico da civilização grega antiga.

A partir daí, a Grécia vem tentando várias negociações para trazer as peças de volta, mas não consegue recuperá-las.

Em 2014 a Unesco resolveu intermediar, mas sem sucesso.

Durante a promoção do filme Caçadores de Obras-Primas, em Londres, George Clooney, Matt Damon e Bill Murray fizeram uma campanha a favor da devolução das esculturas, mas o Reino Unido se contrapõe à campanha alegando que Lord Elgin salvou as peças da destruição e as adquiriu legalmente.

Em 1979, as cinco Cariátides originais que restaram, foram substituídas por reproduções para que pudessem ser mantidas em segurança e hoje são atração dentro do museu da Acrópole.

Cariátides, Templo de Erecteion - Acrópoles de Atena - Grécia

Cariátides, Templo de Erecteion
Acrópoles de Atena – Grécia

E até hoje as Cariátides continuam encantando o mundo. Arquitetos de todas as épocas e nacionalidades continuam utilizado as colunas femininas em suas obras. Vejam aqui alguns exemplos:

Palácio Sanssouci - Potsdam, Brandenburg - Alemanha

Palácio Sanssouci
Potsdam, Brandenburg – Alemanha
Banhos Romanos - Parque SanssouciBanhos Romanos
Parque Sanssouci
Potsdam, Brandenburg – Alemanha

Quando decidi escrever sobre as Cariátides não tinha ideia do quanto seria difícil. Passei cerca de um mês tentando transformar a sua história nessa estória. A história grega, a mitologia, sua cultura e arquitetura, como vocês bem sabem, são riquíssimas e infindáveis. Quanto mais lemos e descobrimos, mais há para se ler e descobrir. E então decidi terminar citando um dos maiores filósofos gregos:

“A parte que ignoramos é muito maior que tudo quanto sabemos.”
( Platão- 427-347 A.C)

O templo de Erecteion e as ninfas da nogueira - Acrópolis de Atenas

O templo de Erecteion e as ninfas da nogueira
Acrópolis de Atenas

“Histórias Minhas”

Oia, Santorini - Grécia

Oia, Santorini – Grécia

Estive na Grécia em 2014 e me encantei. A beleza da natureza e a simplicidade do povo, me lembrou o meu Brasil. Me senti em casa. Mas ao mesmo tempo sentia que a Grécia tinha algo diferente. Talvez pela sua rica história, talvez por estar no continente europeu, não sei bem como explicar, mas achei a Grécia é ao mesmo tempo simples e elegante. Uma perfeição não construída, um charme absolutamente natural. Uma mistura de simples, bonito, gostoso, simpático, descomplicado, ao mesmo tempo nobre, histórico, divino, memorável. Um luxo só! O requinte da simplicidade verdadeira. A simplicidade de se ter apenas o necessário, somente aquilo que precisamos, na medida certa. Sem supérfluos, sem exageros. Organizado o suficiente, descontraído o suficiente. Não tem aquela perfeição que te intimida, nem aquela bagunça que te incomoda. Para mim, perfeita.

Mikonos, Grécia

Mikonos, Grécia

Fiquei absolutamente encantada com os restaurantes super simples que tem mesinhas de madeira embaixo de enormes videiras que se vergam com o peso dos seus enormes cachos de uvas. Parece que eu tinha entrado dentro de uma pintura. MA-RA-VI-LHO-SO!!!!

Naxos, Grécia

Naxos, Grécia

Nossa! A Grécia! O berço da civilização ocidental!
A Grécia era para mim um lugar distante, complexo, sagrado, com seus deuses e seus mitos. Mas de repente, lá estou eu no meio das estátuas, vasos, colunas, diretamente dentro da história, da mitologia. É como se você estivesse pisando no solo sagrado dos deuses. Impossível ficar impassível quando do nada, na estrada surge uma placa indicando o caminho para o Monte Zeus. Para!!! Eu preciso fotografar!!!

Ilha de Naxos, Grécia

Ilha de Naxos, Grécia

Existem muitas estátuas gregas expostas nos museus da Europa. Talvez até as mais bem conservadas e valiosas. Mas estão em lugares artificiais, em salões frios, de piso brilhante, iluminadas por luz artificial e longe do seu ambiente natural. O visitante não tem visão do todo e analisa as peças isoladamente. Já na Grécia, tudo faz sentido. Ao visitar sítios arqueológicos como a acrópole de Atenas, a Ilha de Delfos ou o templo de Demetre em Naxos, você se transporta imediatamente no tempo e mergulha na história, na mitologia. De repente você está numa ágora, cercado de colunas e estátuas, que mesmo quebradas, por estarem no seu ambiente natural, falam por si. E o clima é seco, árido, você caminha pelas pedras, por entre as oliveiras, sob o sol quente, sentindo a poeira presente em tudo. O ambiente é perfeito. E o visitante se encanta.

Ilha de Delfos, Grécia

Ilha de Delfos, Grécia

E a comida? Ah! Os frutos do mar: polvo, lula, camarões variando dos tons rosados aos arroxeados. Dos deuses!!! A salada grega feita com o delicioso queijo feta e as folhas de alface, a cebola roxa e o pimentão verde crocantes. Inigualável! As azeitonas temperadas com ervas, as beringelas assadas, os tomates secos, o azeite, o vinho. De tirar o chapéu!!! Uma perfeita combinação de frescor e cor, como uma palheta de tintas que surge das varandas das casas e restaurantes de paredes pintadas de branco. E isso tudo sempre com vista pro o mar azul e com direito a pores de sol alucinantes que você assiste de cima de um morro ou num barco, indo de uma ilha para outra.

Mikonos, Grécia

Mikonos, Grécia
Oia, Santorini, Grécia

 

Oia, Santorini, Grécia

E tem coisa mais gostosa do que praias? Muitas na Grécia não tem aquela areia fina e branca, é verdade. Mas tem sua beleza também. Nada que uma boa sandália de borracha não resolva. E eu apreciei muito as pedras. Praia com seixos avermelhados, outras pretos, outras coloridos, uns maiores, outros menores. Mas sempre muito bonito.
Santorini, Grécia

Santorini, Grécia

Percebi que muitas mulheres faziam topless nas praias, principalmente as turistas francesas, alemãs e escandinavas. Um dia estava na praia de Perissa, em Santorini e percebi que várias mulheres em minha volta tomavam sol sem a parte de cima do biquini. A praia era super tranquila, com pouca gente e tudo acontecia de forma muito natural e discreta. Eu já tinha tido experiências anteriores em praias naturistas como a de Tambaba na Paraíba e em alguns lagos da Alemanha, mas eram lugares onde todos estavam nus. Nadei nua também em lagos na Finlândia, mas eu estava num lugar absolutamente remoto, sem ninguém por perto.

Mas num lugar como aquele onde apenas cerca de 30% das mulheres faziam topless, achei uma atitude ousada e corajosa.

Deitada no sol, lendo o meu livro, tive dificuldade para me concentrar, imaginando como deveria ser bom tomar banho de sol sem o sutiã que estava me apertando e incomodando.

Bebi mais um gole do meu drinque, coloquei o livro de lado e voltei a procurar com os olhos as mulheres que faziam topless. Todas tão lindas, femininas, pareciam muito felizes.

Ilha de Naxos

Ilha de Naxos

E foi então que decidi que em vez de admirá-las ou criticá-las eu deveria tomar coragem e experimentar, tentar fazer como elas e… click, tirei o sutiã. Continuei deitada no sol e comecei a sentir como era bom estar assim, natural, sentindo o calor do sol e o vento nos meios seios nus. De repente me lembrei que não estava sozinha e olhei para os lados um pouco assustada. Mas tudo continuava na total normalidade, ou seja, ninguém parou o que estava fazendo para olhar para mim. Então fechei os olhos, relaxei e curti. Era um momento só meu, uma emoção somente minha.

Me sentindo já à vontade, resolvi ser ainda mais corajosa e fui até a água dar um mergulho. De novo, ninguém se interessou. Ah!!! Que delícia sentir a água diretamente no corpo. Um grande prazer e um enorme sentimento de liberdade. Naquele momento invejei os homens… Fiquei cerca de uma hora assim. Depois vesti meu sutiã e fui embora.  Nada mudou. Não naquela praia ou na vida das pessoas que lá estavam, mas algo mudou em mim. Mais uma experiência, mais uma barreia quebrada. Me senti forte, livre, emancipada!
Dois dias depois estava na ilha de Naxos. Resolvi caminhar na praia de manhã cedo. Usando a parte de cima do biquini também, é claro. E no caminho cruzei não só com mulheres fazendo topless, mas com alguns homens e mulheres completamente nus. Alguns deitados no sol, outros nadando. Parecia a coisa mais natural do mundo. Eu já tinha passado por isso aqui na Alemanha e segui o meu caminho. Mas me mantive vestida. Me sentia mais confortável assim. Paro numa barraca, bebo uma água, sento um pouco na sombra antes de voltar para a minha casa. E de repente, vejo uns colares coloridos pendurados em cabides na areia da praia. Vou até lá, checar os colares de perto. Eis que sai da água uma mulher pelada, não depilada, com os pelos pubianos penteados, formando uma trança. Ela me pergunta se estou interessada nos colares. Era a artesã. Estava vendendo os seus colares. Procuro mostrar naturalidade e pergunto de que material são feitos. Logo um outro casal se aproxima, perguntando o preço dos colares e e eu sigo o meu caminho achando graça.

A vontade de tirar o meu sutiã era grande mas penso: estou sozinha, já não mais jovem, meus seios não são mais tão firmes, estou alguns quilinhos acima do peso ideal, sou brasileira, tenho outro costume, etc, etc, etc. E vou caminhando e pensando, pensando, pensando, quando de repente cruzo com uma senhora de aproximadamente 75 anos que caminhava tranquilamente de topless mesmo tendo passado por uma cirurgia de mastectomia e tendo apenas uma mama. Meu Deus, como estou atrasadaaaaaaa! Quanta bobagem!!! Aquela mulher numa idade bem mais avançada do que eu e sem um dos seios, na verdade transmitia uma beleza incomum. Era a beleza do amor próprio, do despojamento, da auto –
aceitação, da naturalidade. Me deu vontade de correr atrás dela, abraçá-la, parabenizá-la, aplaudi-la. Um grande exemplo, uma verdadeira heroína.

Mirem-se no exemplo dessas mulheres de Atenas!

Ilha de Naxos

Ilha de Naxos
Fontes:
https://en.wikipedia.org/wiki/Erechtheion
http://www.infoescola.com/mitologia-grega/atena/
https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81rtemis
http://hellonet.teithe.gr/PT/aboutgreece/more/acropolis_pt.htm
https://en.wikipedia.org/wiki/Dion_(mythology)
https://en.wikipedia.org/wiki/Caryatis
http://www.turismogrecia.info/guias/grecia-antiga/erecteion
http://www.turismogrecia.info/guias/grecia-antiga/atena-deusa-da-mitologia-grega
http://www.foodwine.com/food/special/1999/walnut/history.html
https://pt.wikipedia.org/wiki/Imp%C3%A9rio_Bizantino
https://en.wikipedia.org/wiki/Hellenistic_period
https://en.wikipedia.org/wiki/Ancient_Greece
https://www.todamateria.com.br/periodo-classico/
http://www.suapesquisa.com/grecia/
https://www.online.uni-marburg.de/botanik/nutzpflanzen/melanie_gruen/mythologie.html
http://www.naxos.gr/en/special-features/general-features/article/?aid=833
http://sagradofeminino.saberes.org.br/saberes-ancestrais-femininos-sabedoria-espiritualidade-
psicologia-saude-danca-feminina/cariatides-sacerdotisas-de-artemis/
http://www.anhembi.br/html/ead01/historia_moda/aula02/p02.htm
http://hautedeliciousak23.blogspot.de/2015/12/greek-fashion-history.html